Comunicar com estrangeiros: às vezes o que parece não é…

Sendo eu uma convicta praticante da troca de casas, recebo com certa frequência propostas de vários lugares do mundo. Algumas simpáticas famílias estrangeiras esforçam-se por vencer eventuais barreiras linguísticas recorrendo à tradução automática das mensagens que enviam. E é por esta razão que, às vezes, me encontram a rir sozinha diante do PC.

A última proposta que recebi veio de Espanha e os signatários não podiam saber que eu cresci numa cidade da raia portuguesa, onde, nos anos 70 e 80, se via muito mais televisão espanhola do que portuguesa. Não podiam saber que, por esta razão, todos vivíamos, ali e então, uma espécie de bilinguismo, não por parte de pai ou mãe, mas por parte de TVE. Nem mesmo podiam saber que o hábito espanhol de dobrar para castelhano toda e qualquer fala difundida, proporcionava aos portugueses uma língua “domesticada”; lenta e depurada, que nos facilitava a aprendizagem. Ou seja, não sabiam que a língua espanhola não tem grandes mistérios, para nós que crescemos nas décadas de 70 e 80 na raia portuguesa. Por isso, a família espanhola de que falo, amavelmente, enviou a mensagem “traduzida” para português e inglês. Felizmente, enviou também a mensagem em espanhol; caso contrário, uma das frases da mensagem teria ficado irremediavelmente incompreendida. Deixem-me mostrar-vos. Em português, a tradução automática resultou nisto:

Olá família, como você está? Nós estamos olhando para troca em sua área e a tua casa, nós gostamos de verão. San Sebastian é uma cidade maravilhosa, com uma excepcional gastronomia, praias, trilhas, surf etcNuestras datas para viajar são entre 9 e 28 de agosto. A idéia seria ir de 10 a 15 dias. Se animais, vai ficar feliz em ajudar a organizar a sentir viaje O que você acha?

Apesar de tudo (má educação incluída)… compreende-se a proposta (e a má educação perdoa-se; afinal… não sabem o que dizem). A parte relativa aos animais, no entanto, permanece um mistério. “Se animais, vai ficar feliz em ajudar?” Que pode isto querer dizer? Que se eu tiver animais, vou ficar feliz em ver-me livre deles, porque não os permitem? Vamos todos ficar felizes, porque eles os permitem? Se eu gosto de animais, vou ficar feliz porque poderei cuidar dos animais deles? Ou ficarão felizes os animais deles, porque eu vou ajudar tratando deles? Como se imagina, a questão é delicada. Embora eu não tenha animais, sou alérgica ao pelo de gato e, portanto, preciso sempre de saber se há gatos nas casas para onde vou. E, por uma questão de princípio, preciso sempre de saber se terei de me responsabilizar por animais. Avancei portanto para a segunda versão da mensagem, em inglês, intrigada com a questão dos animais e à procura de um sentido para a misteriosa declaração. Ei-la:

Hello family, how you are? We are looking for summer Exchange in your area, and your House we liked.San Sebastian is a wonderful city, with an exceptional gastronomy, beaches, trails, surf etcNuestras dates to travel are between 9 and 28 August. The idea would be to go 10-15 days If you animais, will be happy to help you organise the viaje. feel like?

“You animais”? Significa isto que a simpática família espanhola pensa estar a dirigir-se a animais? Quer isto afinal dizer que se nós formos uns animais, eles ficarão felizes por nos ajudarem a organizar a viagem?!? Bem, isto estaria para lá da má educação, e seria a primeira vez que uma proposta de troca traria um insulto… Agarro-me à ideia de que se trata de uma simpática família e de que não teve a intenção de nos insultar, apenas teve a infeliz ideia de recorrer e confiar num tradutor automático. Avanço para a versão espanhola da mensagem, onde finalmente encontro uma explicação para a questão dos “animais”… Ei-la:

Hola familia, ¿Cómo estais? Estamos buscando intercambio para verano en vuestra zona, y nos ha gustado vuestra casa. San Sebastian es una ciudad maravillosa, con una gastronomia excepcional, sus playas, senderos, surf etc Nuestras fechas para viajar son entre el 9 y el 28 de agosto. La idea seria ir 10-15 días. Si os animais,estaremos encantados de ayudaros a organizar el viaje Os apetece?

Finalmente a simpatia e a boa educação! E afinal não há animais nenhuns… O que a simpática família diz é “Si os animais”, ou seja, “Se se sentirem animados (ou entusiasmados) com a proposta de troca”; “estaremos encantados de ayudaros a organizar el viaje”, ou seja, nós ficaremos contentes por vos ajudar a organizar a viagem. Se nós nos animássemos com a proposta de troca, eles ficariam contentes por nos ajudar a organizar a viagem. Uf…

Embora muito aliviada, apressei-me a responder à simpática família que agradecia muito a proposta, mas que não poderia considerá-la.

Moral desta história: quando alguém pretender comunicar com pessoas (e animais!) que falem outras línguas, lembre-se de que o tradutor automático é bem capaz de triturar a simpatia e a boa educação, e assim causar graves problemas diplomáticos…

 

Ângela Santos