Os perigos da tradução automática

Um palestiniano foi recentemente preso, em Israel, simplesmente porque a tradução automática do Facebook traduziu erradamente um post que ele publicou. O Facebook já pediu desculpas, mas isso não poupou a um homem inocente um mau momento…

Tudo começou quando um trabalhador da construção civil publicou uma fotografia mostrando-se no seu local de trabalho com a legenda «bom dia», em árabe. O sistema de tradução automática do Facebook traduziu a simples saudação por «ataquem-nos», em hebraico, e por «magoem-nos», em inglês.

Ora, as autoridades, que não dominam o árabe, leram a tradução e prenderam o homem, que apenas foi libertado após diversas horas de interrogatório.

O facto de a fotografia mostrar o homem inclinado sobre um bulldozer agudizou as suspeitas, porque os bulldozers já foram usados em ataques terroristas.

O post foi lido pelas autoridades porque as Israel Defense Forces monitorizam as redes sociais dos palestinianos, para detetarem casos de «radicalização» e eventuais ataques terroristas.

Esta história é um excelente exemplo de como a atividade de tradução não deve dispensar o sentido crítico humano. Porque uma tradução feita por uma máquina pode causar danos sérios na vida das pessoas e nunca devemos esquecê-lo.